Custo Padrão

(Texto copilo do seguinte livro: CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO. Curso sobre contabilidade de custos. São Paulo: Atlas, 1992 (p. 116 a 119).

Elaboração: Trevisan & Associados / Expositor: Ivete Fava

“1. CONCEITOS

Sistema de custeio real

Sistema de custeio real implica a utilização apenas de valores históricos dos insumos já aplicados no processo de produção. Portanto, os custos do produto ou do período são calculados somente após a realização da produção e o lançamento de todos os custos do período, o que, na maioria das empresas, ocorre com freqüência mensal.

Com a utilização deste sistema [custo real], um produto fabricado no início do mês terá seus custos conhecidos no mínimo em cerca de trinta dias.

Sistema de custeio predeterminado

No sistema de custeio predeterminado [custo padrão] utilizam-se valores previstos com base nas especificações do produto, nos elementos de custo e nas quantidades de produção. Os custos são apurados antes de realizada a produção.

O custeio predeterminado, em função de suas características, pode ser classificado como:

Estimado – é estabelecido com base em custos de períodos anteriores ajustados em função de expectativas de ocorrências futuras, porém sem muito questionamento sobre as quantidades (materiais/mão-deobra) aplicadas nos períodos anteriores e os respectivos custos.

O conceito de custo estimado é, em geral, utilizado para cálculo das taxas de aplicação dos custos indiretos de fabricação, podendo, entretanto, ser estendido aos custos diretos.

Padrão – é estabelecido com mais critério do que o estimado, conforme detalhado nos itens a seguir. O padrão representa o custo que um produto deveria custar, em condições normais de eficiência da mão-de-obra e dos equipamentos, de abastecimento do mercado fornecedor, da demanda do mercado consumidor etc.

2. TIPOS DE PADRÕES

Diversas são as denominações e os conceitos utilizados para a concepção dos padrões, entretanto os mais comuns são: padrão ideal ou teórico e padrão corrente ou normal.

O custo padrão ideal é obtido com base em estudos científicos, não considera ineficiências e, conseqüentemente, tem pouquíssimas chances de ser atingido. O custo padrão corrente considera as características normais do processo e do produto (ineficiências, paradas, qualidade de materiais etc.), devendo, portanto, ser entendido como a meta a ser atingida em determinado período.

A fixação de metas inatingíveis não gera nenhum comprometimento do pessoal com a busca de melhor desempenho ou aumento de eficiência e impossibilita a responsabilização pela não consecução. Mas, a simples consideração de dados de períodos anteriores, sem os ajustes dos desvios ocorridos, pode significar a repetição de erros e perda da eficiência. Portanto, o custo padrão corrente é o que melhor atende às necessidades de planejamento, controle e tomada de decisões.

3. OBJETIVOS DA APLICAÇÃO DE PADRÕES

O objetivo principal da utilização do sistema de custeio padrão é o controle dos custos, ou seja, com base nas metas fixadas para condições normais de trabalho é possível:

• Apurar os desvios do realizado em relação ao previsto
• Identificar as causas dos desvios.
• Adotar as medidas corretivas para não-reincidência de erros ou para melhoria do desempenho.

Assim, a existência de padrões não elimina a necessidade de apuração dos custos reais; pelo contrário, o objetivo do sistema de custeio padrão só é atingido quando, da comparação do real com o padrão, se extraem as divergências entre ambos.

O controle dos custos real versus padrão gera informações que contribuem:

• No processo de avaliação de desempenho das áreas e dos responsáveis pelos custos
• Para a implantação de programas de redução de custos, mediante a identificação dos itens ou áreas que estão fora da normalidade.

A utilização do sistema de custeio padrão tem os objetivos, ainda, muito mais de ordem prática operacional do que conceitual, de permitir:

• A apuração dos custos imediatamente após a fabricação dos produtos, ou seja, desvinculada do fechamento contábil do mês. Esta situação é bastante comum em empresas que dispõem de sistemas automatizados e integrados de controle de estoques, de planejamento e controle da produção, de compras etc., onde, à medida das ocorrências físicas (produção/venda), os arquivos são atualizados também monetariamente, com base em padrões.
• Reduzir a quantidade de apontamentos de consumo, tanto de materiais quanto de mão-de-obra, para apuração dos custos de cada produto. Esta necessidade é maior em empresas cujos produtos têm uma grande diversidade de componentes, de grande ou pequeno valores, e os processos de produção são complexos e ocorrem em diversas etapas.

4. FIXAÇÃO DOS PADRÓES

Responsáveis pela fixação dos padrões

Vários órgãos devem envolver-se na fixação dos padrões, de acordo com a natureza de cada item de custo e com a estrutura organizacional da empresa.

Em linhas gerais:

• Os padrões físicos (quantidades de materiais, horas de mão-de-obra, consumo de energia etc.) são de responsabilidade de áreas industriais (desenvolvimento de produtos e processos, produção, planejamento e controle).
• Os padrões monetários são atribuições de áreas administrativas e financeiras (controladoria, compras, departamento de pessoal etc.).

A área de controladoria, além de ser responsável pelo cálculo de alguns padrões, tem a atribuição de coordenar todo o processo e compilar os dados para a apuração dos custos padrões dos produtos.

Uma distribuição de responsabilidade comumente encontrada pode ser expressa graficamente da seguinte forma:

Fim da transcrição

APONTAMENTOS PARA A MATERIA A SER DADA EM SALA DE AULA

Custo Padrão é um sistema usado pelas empresas, integrado ou não à contabilidade. Neste último caso ele é um sistema extra-contábil. Seu principal objetivo é oferecer agilidade à empresa, na tomada de decisão junto a fornecedores e clientes. Além disso, facilitam a realização de levantamento de dados para formação de orçamentos, propostas de concorrências e levantamentos para controle dos custos.

Há várias situações diferentes que exigem soluções também diferentes, para a formação de custo padrão. Nas empresas com mais de um ano de existência, toma-se como base os custos reais acontecidos nos exercícios anteriores. Nas empresas novas busca-se os valores reais de custos existentes no mercado. Em alguns casos desprezam-se os centavos e se faz um arredondamento geral, em outros computa-se todos os centavos. Dessa forma podemos dizer que o sistema de custo padrão deve se amoldar à empresa e não a empresa se adaptar os sistema, pois não há um único sistema de custo padrão, há vários. Note-se que este é um conjunto de controles recomendado somente para as empresas que têm produção contínua e em grande volume. Entretanto, alguns setores, por exemplo restaurante, podem optar pela sua utilização, mesmo sendo de porte médio.

Implantação

A implantação do sistema de custo predeterminado deve envolver todos os setores da empresa, direta ou indiretamente ligados à produção, finanças, vendas etc. Vejamos algumas situações específicas:

1. Diretoria – A implantação do sistema de custo padrão representa facilidade para produzir mercadorias e concorrer no mercado. Por outro lado há a possibilidade de trazer prejuízos se os cálculos não forem bem feitos. Por causa disso, a implantação do sistema deve ser uma decisão do colegiado de diretores.

2. Gerências – O levantamento de dados para o pré-projeto e suas revisões posteriores deverá ser de responsabilidade de todas as gerências envolvidas nos processos de compra, produção, comercialização, estocagem, financiamento, etc., aí incluído o departamento de pessoal.

3. Produção – A execução do custo padrão, como sistema, deve ser de responsabilidade do setor de Controladoria. Entretanto é o setor de produção o departamento usuário das informações, fato que lhe dá condições de alterar os valores do projeto.

4. Outros setores – O departamento de Compras e a Diretoria Financeira têm obrigação de fornecer informações atualizadas à Controladoria sobre o valor dos insumos, quantidade dos estoques, disponibilidade dos recursos etc.

 

 



Alguém nos encontrou com os seguintes termos de pesquisa:

  • custo padrão conceito
  • custeio padrao
  • custo padrão
  • Custo padrão ideal
  • custo padrão corrente
  • custeio predeterminado
  • exemplo de custo padrão
  • padroes fisicos e padroes monetarios
  • o que sao custos estimados?
  • qual o custo padrao mais utilizado nas empresas