Colhendo lírios nos campos do Senhor

vinheta173

Tomislav R. FemenickJornalista

 

Apesar de alguns acontecimentos tristes (a guerra fria, a guerra mais do que quente do Vietnã, os assassinatos de Kennedy e Martin Luther King, por exemplo), a década de sessenta do século passado talvez tenham sido os melhores anos da história recente. Os estudantes e os movimentos negros e feministas lutavam por direitos justos, que lhes eram negados, as ciências deram um tremendo avanço qualitativo e quantitativo. Iuri Gagarin, um astronauta russo, descobriu que “a terra é azul”. E um outro, norte-americano, Neil Armstrong, pisou na lua dando “um pequeno passo para um homem, um gigante salto para a humanidade”. O homem desceu ao piso dos oceanos, desenvolveu as bases da mecatrônica e do raio laser, descobriu a pílula anticoncepcional e sintetizou o DNA, entre outras grandes facetas.

Elvis, os Beatles, os Rolling Stones e o festival de Woodstock – e lá estavam Jimmy Hendrix e Janis Joplin – puseram a música popular de ponta cabeça. No Brasil, Chacrinha se comunicava com as massas, Roberto Carlos liderava a Jovem Guarda, a Bossa Nova se consolidava, a Tropicália (de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Rogério Duprat e Torquato Neto) e os velhos e os Novos Baianos renovavam o cenário musical brasileiro. A música que antes era só para se ouvir e dançar, agora mexia com o corpo e com a mente.

Enquanto isso, aqui a província continuava quase que totalmente provinciana. Câmara Cascudo, Veríssimo de Melo e uns poucos mais eram a exceção que confirmava a regra. Ponta Negra era uma praia longínqua (não havia a avenida Roberto Freire e a Via Costeira), habitada principalmente por pescadores. As praias do Meio, dos Artistas e Areia Preta eram os lugares de encontro da juventude adoradora do sol e das ondas.

O Grande Ponto – onde tudo acontecia ou onde tudo era comentado – funcionava a todo vapor, Aluízio Alves trazia inovações em seu governo, mas a política de compadrio ainda imperava, a televisão era um sonho, os cines Rio Grande e o Rex eram os centros de diversões e na Confeitaria Cirne, ali na rua João Pessoa, tomavam-se umas “estupidamente geladas”, enquanto se jogava conversa fora. No “high society” tupiniquim imperavam o América e Aero Club.

Foi nesse ambiente que apareceram dois nomes no jornalismo natalense. Paulo Macedo, no Diário de Natal, e Jota Epifânio, na Tribuna do Norte. Eles dominavam a sociedade local, noticiando o que era importante e ditando o comportamento da alta cúpula da cidade. O meu amigo Jota Epifânio faleceu em 1999 e o meu amigo Paulo Macedo, na semana passada.

Conheci Isaac Faheina de Paulo Macedo no final dos anos 1950, porém somente firmei amizade com ele na década seguinte, quando ambos trabalhávamos no Diário de Natal; ele como cronista social e eu como repórter correspondente. Nessa época ele tinha duas atuações marcantes: a Festa das Personalidades e os concursos de Miss Rio Grande do Norte, ambas realizadas anualmente. Com a evolução dos tempos, sua coluna foi se afastando dos assuntos sociais e, mais e mais, tratando de política, do mundo empresarial e, principalmente, de cultura. Tinha uma perspicácia notável para descobrir fatos novos ou para dar nova luz a assuntos latentes. Assim, foi se distanciando do pouco relevo da crônica tão somente social e adentrando por campos mais sólidos do jornalismo. Paralelamente, começou a estudar e a publicar matérias sobre automobilismo.

Como não poderia deixar de ser, ocupou cargos na administração pública. Foi chefe de gabinete do prefeito Djalma Maranhão, secretário de turismo da Prefeitura de Natal e presidente da Fundação José Augusto. Integrava o Conselho de Cultura do Estado e era membro da Academia Norte-Riograndense de Letras, onde ocupava o cargo de vice-presidente, e compunha o Conselho Estadual de Cultura. Apresentava um programa de televisão, Sala Vip, e publicou vários livros.

Fui seu companheiro no Rotary Club de Natal Sul, para onde fui por ele levado há mais de quinze anos. Tanto no clube a que pertencíamos, como na governadoria do Distrito (que engloba o Rio grande do Norte, a Paraíba e Pernambuco), seu nome era referenciado como um dos grandes possuidores de um cabedal de conhecimento sobre a filosofia rotária; sua lógica, suas regras, seus regimentos.

Paulo Macedo era, o que se poderia dizer, um homem de fino trato. Voz mansa, nunca se alterava. Falava de coisas relevantes e fugia de assuntos constrangedores. Nunca o vi destratar ou mesmo falar com reticências sobre alguém.

Desde o fechamento do Diário de Natal e de O Jornal de Hoje, em Natal, e da Gazeta do Oeste e O Mossoroense, em Mossoró, Paulo Macedo mostrava preocupação com as perdas que isso significava para o nosso Estado. Um povo que não lê não tem intelecto, não tem saber, não tem alma. E o jornal (notadamente o impresso) é a porta de entrada para isso, pois noticia e explica – principalmente explica – os fatos, os atos e as ocorrências.

Era assim o meu querido amigo Paulo Macedo. Teria muito mais a dizer sobre ele, mas, abalado pelo seu falecimento, somente soube dizer pouco desse pequeno grande homem, que agora está colhendo lírios nos campos do Senhor.

Tribuna do Norte. Natal, 18 jul. 2020.