AZOUGUE.COM

Tomislav R. Femenick
O Jornal de Hoje. Natal, 11 ago. 2008.
O Mossoroense. Mossoró, 14 ago. 2008.

 

Reconhecidos: 1 jornalista Chiquindo Duarte; 2 Genu Rodrigues; 3 Governador Monsenhor Walfredo Gurgel; 4 Ministro Mario Andreazza; 5 empresario Antonio Florencia de Queiroz; 6 jornalista Tomislav R. Femenick; 7 jornalista Paulo Macedo.

Se você for aos dicionários procurar o significado da palavra “azougue”, vai encontrar como primeira explicação de que esta é a “designação vulgar do mercúrio; elemento líquido de cor prateada, denso, venenoso, de número atômico 80″. Depois vêm outras, de que o termo também se aplica aos “metais ferromagnético com imantação permanente” ou à uma “planta da família das euforbiáceas e do gênero mercurialis”. Diz-se, ainda, das “pessoas muito vivas e espertas”. Só em último lugar, em todos os dicionários em que pesquisei, é que vem a informação que melhor se aplicaria ao caso que me levou a consultar aos livros das palavras; “azougue: coisa que atrai”.

Ora, minha gente, é justamente esta última a explicação que cabe ao site da internet “www.azougue.com“, do meu amigo Caby da Costa Lima. Ele, o site, atrai os mossoroenses acima dos quarenta, como doce atrai criança. Lá tem de tudo. Crônicas, entrevistas, celebridades, curiosidades, piadas, gramática portuguesa etc. Entretanto o carro forte, no meu entender, são as seções “Do Bumba” e “Da Época”. Na primeira, Caby apresenta fotografias das pessoas de Mossoró de outros tempos, lá nascidas ou não. Democraticamente, tem fotos de políticos, empresários, gente de sociedade, esportistas, estudantes, donas de casa e gente do povo. Para mim, que vivo fora de minha terra por quase quarenta anos, é um verdadeiro reviver. As fotos dos anos setenta para trás fazem-me reencontrar com meus amigos, como eles eram e estão na minha lembrança. É uma viagem de recordação e saudade.

Os que me conhecem sabem que duas das minhas características são que sou péssimo fisionomista e que dificilmente me recordo dos nomes das pessoas. Outro dia, em uma das minhas idas a Mossoró, fui abraçado efusivamente por um cidadão com pouco menos que a minha idade, com uma alegria que somente uma pessoa amiga poderia ter, ao se encontrar com alguém com quem tivesse laços afetivos. Graças a Deus ele conhecia essas minhas deficiências. Era um dos muitos primos que eu tenho e que havia trabalhado comigo por mais de três anos, nas décadas de sessenta e setenta passadas. Pois bem, a página “Da Época” tem sido o meu socorro. Por ela me atualizo, vendo as fotos antigas e novas, da mesma pessoa.

Não é de estranhar que o site de Caby seja um sucesso entre nós mossoroenses, principalmente os que vivem fora da “terra mater”. Soube que o General Galvão e JB Cascudo Rodrigues, meus primos que moram em Brasília, e Clarisse Rodrigues Pimenta, que mora no Rio, são visitadores contumazes do “azougue.com”. Aqui em Natal seria impossível listar os mossoroenses fregueses dessa página da internet, de tantos que são. Inclusive porque todo mundo, de vez em quando, se ver retratado no Bumba.

O sucesso foi só uma consequência. Dá para se medir o êxito pelo fato de a página “Do Bomba” ter se transformado em uma série de livros (preste atenção: uma serie de livros), já tendo atingido o número sete, recentemente lançado em Mossoró e em Natal. Os livros apresentam coletâneas de fotografias e, como diz o Prof. Everando Praça, “não existe nada que expresso melhor as coisas [e as pessoas] como são que a expressão fotográfica. As imagens resgatadas são memórias vivas de uma época, reminiscências de uma vivência. O Bomba é assim, dá-nos a oportunidade de acompanhar as muitas metamorfoses que marcaram a evolução de nossas vidas”.

Somente não gosto de uma coisa no site de Caby: cada vez que ele divulga uma foto de Tomislav com menos ou pouco mais de trinta anos de idade, ele revive a minha consciência de que estou envelhecendo. Bom mesmo era no naquele tempo, tempo que hoje é do bumba (antigo).